Um jovem de 19 anos, morador da cidade de Telêmaco Borba, no interior do Paraná, nasceu de novo ao ter sobrevivido a uma sessão de espancamento por dois homens durante a madrugada de domingo (31). Dawan dos Santos Bueno, retornava para casa, por volta das 2h, quando foi abordado pela dupla.

Dawan afirma que foi sufocado e só depois de perder a consciência apanhou dos criminosos. “Quando eu acordei, já era de manhã, lá pelas 7h. Aí percebi que estava todo ensanguentado e dolorido. Provavelmente, eles me bateram muito enquanto eu estava desacordado. Foi aí que, meio tonto e sem voz, fui atrás de ajuda“, lembra.

Eu disse que eles podiam levar qualquer coisa, mas pedi para não me machucarem. Os dois me mandaram calar a boca e o tempo todo me chamavam de ‘viradinho’ … Eu sobrevivi para contar a minha história. Conheci gente que não teve a mesma sorte“, afirma.

A Polícia Civil de Telêmaco Borba investiga o caso, mas Dawan garante que foi vítima de homofobia. “Todos os dias, eu acordo já sabendo que vou ter que enfrentar algum tipo de preconceito. Já faz parte da minha rotina. Para mim, é tão certo quanto acordar, lavar o rosto e escovar os dentes“, explica.

Agora se recuperando em casa, ele desabafou no Facebook, “Homofobia era algo distante, uma palavra que eu não tinha muito conhecimento”.

Nota do Autor: Sabe o que me revolta nestas histórias. É que enquanto casos como estes acontecem por todo o Brasil, alguns religiosos ao invés de lutar contra qualquer tipo de violência, incentivam com suas palavras o ódio e a segregação. Qual Deus eles representam?